Terra Americana - Jeanine Cummins

Título Original: American Dirt
Autor (a): Jeanine Cummins
Data de Publicação: 2020
Número de Páginas: 416
Editora: Intrínseca
Classificação: 



Em uma agradável vizinhança de Acapulco, um massacre. Uma chacina vitima dezesseis membros de uma mesma família, durante uma festa de quinze anos. Os únicos sobreviventes são Lydia e seu filho Luca, de oito anos. O marido de Lydia, Sebastián, foi o jornalista responsável pelo perfil jornalístico do homem que controla o cartel de drogas mais poderoso da cidade. E agora, como a maioria dos seus parentes, ele também está morto.
Repleto de suspense e impactante, Terra americana tem personagens cativantes, cujas histórias fazem refletir sobre o heroísmo e a generosidade das pessoas que arriscam tudo para ter um lugar em que possam viver com dignidade. Escolhido para o clube do livro da Oprah, o romance já teve os direitos de adaptação cinematográfica adquiridos.

Quem me segue no Skoob acompanhou os meus surtos durante a leitura de Terra Americana. Enlouqueci com a história. Não conseguia parar de ler e tinha dificuldade em me concentrar nos estudos porque tudo que eu queria era pegar o meu Kobo e viajar junto com Lydia e Luca pelo México. Pelo menos até a metade do livro.

No início da leitura as minhas expectativas estavam bastante altas e a história que eu encontrei conseguiu manter a minha animação durante muito tempo. O primeiro capítulo do livro te pega jeito e a forma como a autora vai soltando as informações aos poucos te mantém presa. Normalmente isso me irrita, esse "conta-gota" de informações, mas ela soube como fazer de forma que eu não me importei em ter que esperar um pouco mais para saber os detalhes. A história vai fluindo e você não sente as páginas passarem. Cada peça do quebra-cabeça que era encaixada despertava emoções variadas em mim.

A fuga de Lydia e Luca depois de conseguirem se livrar de uma chacina ordenada por um cartel em Acapulco (eu só conseguia pensar no Chaves) é de tirar o fôlego. Em uma determinada cena a tensão que os dois vivenciaram foi tão intensa que eu fiquei com coração acelerado e precisei parar ao final do capítulo para conseguir recuperar o fôlego e retomar a leitura. Foi uma das emoções fisicamente mais intensas que eu já vivi durante uma leitura. Estou acostumada a cenas que me fazem sentir tristeza, chorar, mas sentir medo e aflição como se fosse comigo foi a primeira vez.

Tudo estava indo bem até que em um determinado momento senti como se um chave tivesse virado e a história perdesse um pouco o fôlego. Não me entendam mal, o livro não ficou ruim, mas estava faltando algo. Percorrer o México junto com Lydia e Luca e com as pessoas que eles acabaram conhecendo no caminho foi aflitivo porque você não sabia qual a próxima coisa horrível iria acontecer com eles. Foi uma leitura tensa porque você não sabia quem realmente era de confiança ou quem fingia ser para se aproximar deles e fazer algum mal. Entretanto acho que faltou explorar o conflito existente entre ela e Javier.

Javier era chefe do cartel responsável pela chacina e também amigo de Lydia. Quando a autora "soltou essa bomba" eu esperei que em algum momento eles tivessem um embate. A ameaça de que ele queria matar ela e seu filho foi o que a fez fugir de Acapulco e tentar atravessar a fronteira para o EUA. Javier era como uma sombra, mas mesmo sendo tão influente e tão poderoso eu não senti que ele fosse realmente pegá-la. A minha aflição era mais por causa da La Bestia e das pessoas que ela encontrava no caminho que também estavam indo em direção el norte. Acredito que foi essa expectativa não atendida que jogou um balde de água fria na minha leitura. SPOILER (para ver o trecho, selecione a frase a seguir) A autora criou um problema que prometia ser enorme, mas fora o que ele fez no início do livro (que foi extremamente chocante, doloroso e traumatizante) nada mais aconteceu. FIM DO SPOILER

As últimas páginas foram bem pesadas e tristes. Na verdade, elas não foram muito diferentes do que foi o livro inteiro. É claro que eu não esperava encontrar uma história bonitinha e leve, mas as cenas difíceis nesse livro são muitas e é impossível não se sentir destroçada ao lê-las.
Terra Americana foi muito mais do que eu esperava no começo, perdeu um pouco da minha atenção no meio e entregou um final ok. Foi decepcionante ver uma história que parecia tão incrível perder um pouco do seu brilho e não entregar todo o seu potencial.

P.S: Pesquisando sobre Terra Americana na internet descobri que na época do seu lançamento ele se envolveu em várias polêmicas sendo chamado de estereotipado e apropriador. Os leitores criticaram a autora por ser branca e escrever um livro sobre a história de uma mulher mexicana "roubando" seu lugar de fala.

0 comentários:

Postar um comentário

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.