Os sete maridos de Evelyn Hugo - Taylor Jenkins Reid

Título Original: The Seven Husbands of Evelyn Hugo
Autor (a): Taylor Jenkins Reid
Data de Publicação: 2019
Número de Páginas: 360
Editora: Paralela
Classificação:





Lendária estrela de Hollywood, Evelyn Hugo sempre esteve sob os holofotes ― seja estrelando uma produção vencedora do Oscar, protagonizando algum escândalo ou aparecendo com um novo marido… pela sétima vez. Agora, prestes a completar oitenta anos e reclusa em seu apartamento no Upper East Side, a famigerada atriz decide contar a própria história ― ou sua “verdadeira história” ―, mas com uma condição: que Monique Grant, jornalista iniciante e até então desconhecida, seja a entrevistadora. Ao embarcar nessa misteriosa empreitada, a jovem repórter começa a se dar conta de que nada é por acaso ― e que suas trajetórias podem estar profunda e irreversivelmente conectadas.

Sabe aquele livro que você tem vontade de sair indicando para todo mundo? Então, leiam Os sete maridos de Evelyn Hugo.

Comecei a leitura cheia de expectativas por já ter lido um outro livro da autora (Daisy Jones e The Six) e ter ficado apaixonada pela forma como ela conseguiu transformar personagens e situações fictícias em algo tão próximo da realidade.

Em Os sete maridos de Evelyn Hugo a Taylor Jenkins repetiu a fórmula e mais uma vez acertou em cheio na construção tanto da história quanto dos personagens. É tão envolvente que o tempo inteiro precisava me lembrar que aquela história não era real, que a Evelyn Hugo assim como os seus maridos, os amores, os outros atores e os filmes citados eram fictícios.

Quantas vezes eu me peguei pensando: vou procurar a foto do ator X ou vou ver se no YouTube tem algum trecho do filme Y. Daí eu lembrava que na verdade nada do que estava naquelas páginas era realidade, apesar de certamente ter se inspirado em muitos atores e histórias de Hollywood. Evelyn Hugo era a Marilyn Monroe do seu mundo, ela poderia ser uma pessoa real como as que você conhece da era de ouro de Hollywood.

A história de Evelyn é viciante, dramática e escandalosa. Cada capítulo do livro é focado em um determinado marido dela e na influência que cada um deles teve na sua vida e na construção da sua história. Além de explorar tópicos como o preço da fama, o racismo em Hollywood, a violência domestisca, questões LGBTQ+ e o direitos das mulheres.

A Evelyn é uma personagem muito complexa. Durante a sua conversa com Monique, a jornalista escolhida para escrever sobre a sua vida, Evelyn deixa claro que não é uma boa pessoa e para conseguir sobreviver e chegar onde tinha chegado ela precisou fazer escolhas difíceis, magoar as  pessoas que amava e muitas vezes deixar de lado seus sentimentos. E ela não pede desculpas por quem é. Nunca. Ela entende que apenas fez o que era necessário para conseguir "sobreviver".

Você quer julgá-la pelas coisas que ela fez, quer pensar nela como alguém fria, manipuladora e calculista, mas você também consegue entender muitas de suas decisões. Sabe que ela fez o que precisava ser feito ou não teria chegado e conseguido o que conseguiu. Evelyn sabia o quanto desviar a verdade, sabia até onde ir para manter o público ao seu lado ou quanto exagero era necessário para recuperar o público após um incidente desfavorável para sua imagem.

Enquanto os capítulos vão passando e você se vê cada vez mais envolvida com a vida dessa atriz de Hollywood, há um mistério subjacente que nunca desaparece: por que Evelyn escolheu Monique para escrever a sua história e de que forma a vida das duas se cruzam? Confesso que a revelação por trás dessa escolha realmente me pegou de surpresa, mas também preciso confessar que o suspense superou a revelação. Eu estava realmente curiosa para saber o motivo, mas a história e a vida da famosa atriz eram interessantes demais e sobrepujaram o mistério que a autora tentou emplacar. Logo, na maior parte do tempo, eu até esquecia que havia algo não esclarecido na escolha de Monique como biógrafa.

O finalzinho do livro me desagradou um pouco e eu fiquei pensando se a decisão de Monique de não intervir foi feita por empatia e com o coração ou se ainda havia muita mágoa pelo que ela descobriu.

Apesar desse pequeno detalhe, Os sete maridos de Evelyn Hugo é um livro fascinante com uma personagem extremamente complexa que, embora fictícia, é muito real. É um romance que merece todos os elogios, é brilhante, emocional, memorável, uma leitura cativante da primeira até a última página.

0 comentários:

Postar um comentário

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.