As Cores do Entardecer - Julie Kibler

Título Original: Calling Me Home
Autor (a): Julie Kibler
Data de Publicação: 2014
Número de Páginas: 352
Editora: Novo Conceito
Classificação: 
Livro cedido em parceria com a Novo Conceito 

As cores do entardecer - A sonhadora Isabelle e o determinado Robert desejavam, com todas as suas forças, se entregar à paixão que os unia. Mas uma jovem branca e um rapaz negro não poderiam cometer tamanha ousadia em plena década de 30, em uma das regiões mais intolerantes dos Estados Unidos, sem pagar um preço muito alto.
Diante dos ouvidos atentos da cabeleireira Dorrie, a história do amor trágico e proibido se desdobra, enquanto mudanças profundas se instalam em sua própria vida.
Com personagens humanos e, por isso mesmo, memoráveis, As Cores do Entardecer mostra que as relações afetivas muitas vezes são mais profundas que os laços de sangue. A cada etapa da viagem de Isabelle e Dorrie, as lições sobre otimismo e fé se multiplicam.

Os Estados Unidos da América aboliram a escravidão no ano de 1863, entretanto a segregação racial perdurou por muitos anos depois. No final da década de 30, mais de 70 anos depois da abolição, algumas partes do país, principalmente os estados sulistas, apesar de não terem mais escravos tratavam os negros como marginais e escórias da sociedade. As "regras" de convivência mudavam de cidade para cidade, algumas sendo mais radicais e violentas. Foi exatamente nessa época tão conturbada e difícil que Miss Isabelle, uma das protagonistas de As Cores do Entardecer, viveu uma proibida, intensa e emocionante história de amor. 

O romance interracial entre Isabelle e Robert, empregado de sua família, partiu meu coração e confesso ter torcido muito para que ele não dessem certo antes mesmo de começar. Para Isabelle as coisas poderiam ficar difíceis caso seus pais descobrissem o romance, mas nada poderia se comparar ao que aconteceria a Robert e eu não queria vê-lo machucado. Senti raiva da insistência de Isabelle diante da resistência dele, do amor egoísta e irresponsável que ela sentia e não tentava controlar. Entretanto, no final das contas acabei aceitando, eles tinham sido feitos um para o outro e tinham o direito de ficarem juntos ou de pelo menos tentarem.

A relação entre os dois era cheia de momentos doces e ternos, eles eram amigos, amantes e companheiros e viviam um amor único e verdadeiro. Mas como é possível de se imaginar um romance interracial numa época tão cheia de preconceitos não passaria despercebido, nem seria aceito facilmente e quando as consequências dessa relação começaram a aparecer eu precisei me preparar para enfrentar a feia realidade que viria pela frente.

O livro é narrado em primeira pessoa por Miss Isabelle e Dorrie, em capítulos alternados entre o passado e o presente. A história é estruturada de forma que enquanto Dorrie, no presente, precisa lidar com as dificuldades de sua vida, problemas com o filho mais velho e uma relação que está começando a nascer, Isabelle viaja ao passado para relembrar sua história de amor. As duas mulheres dividem suas vidas, seus segredos e se tornam cada vez mais próximas. O laço de amizade que surgiu entre as duas foi extremamente comovente e enternecedor.

As Cores do Entardecer mexeu profundamente comigo, infiltrou em meu coração e me deixou impotente e revoltada diante da dura realidade apresentada pela autora. É uma história fascinante, muito bem entrelaçada, com drama, tensão, mistério e personagens cativantes. Ela aborda a questão atemporal do preconceito racial, através de um amor proibido, autêntico e doloroso. Uma leitura comovente mais do que recomendada.

10 comentários:

  1. Oi Caline

    Li mês passado Tempo de matar do John Grisham que também é sobre segregação racial, e eu amei. É um tema que mexe muito comigo, este parece ser lindo e triste, quero ler logo. Que bom que vc gostou. ^^
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Caline, terminei esse livro no final de semana e estou completamente encantada pelo livro ainda. Eu achei doce a história de Miss Isabelle, mesmo que triste, e mesmo que não quisesse que nenhum dos dois se machucasse, queria que pudessem viver aquilo. Me envolvi mais com a narrativa em 1939/40 do que a atual, e quando chegava nos capítulos de Dorrie, me sentia arrancada de um outro mundo sabe? rsrs

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Caline,

    Pela tua resenha eu imaginei o quanto essa leitura deve ser comovente. Se for possível quero lê-la em breve. Apesar de ser fanzoca dos livros leves e fofo, os densos e profundos também me conquistam.

    Beijo!

    Miriam ♥ Livros, Bobagens e Guloseimas!

    ResponderExcluir
  4. Oi Caline, tudo bem?
    Estou vendo a galera comentar muito sobre esse livro, mas confesso que fiquei com um pouco de resistência, porque sou manteiga derretida e choro horrores com livros desse tipo HAHAHA
    Eu resisto, mas quando leio é sempre acompanhada dos lencinhos. Mas pretendo dar uma chance ao livro. Por se tratar de uma grande história de amor é impossível resistir KKKK
    Beijos!
    Juliana Skwara

    ResponderExcluir
  5. Oie Caline =)

    Estou lendo algumas resenhas bem positivas desse livro, mas confesso que a premissa dele não me chamou muito atenção.
    A história parece ser emocionante mesmo, mas acho que não ando no clima para esse tipo de narrativa.

    Beijos e um ótimo final de semana;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  6. Nossa, que legal, é lançamento da Novo Conceito né? Porque eu ainda não vi esse livro em nenhum lugar e em nenhum blog. É a primeira resenha que leio dele. Fiquei MUITO interessada em ler, de verdade, primeiro porque fiquei com medo de ler e chorar e me descabelar e ficar revoltada e isso é um sinal de um ótimo livro e outra porque o enredo é mesmo interessante, ainda mais com a autora intercalando a narração de capítulo em capítulo.

    Ótima dica Caline. Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  7. Oi, Caline!
    Adoro tuas resenhas! ~ abraça ~
    Eu quero ler este livro em breve. Na verdade, está na lista para ser uma das minhas próximas leituras. Adoro tramas bem desenvolvidas e com um fundo real e histórico. Acredito que seja uma história dolorosa mesmo em alguns momentos. Espero curtir muito até porque estou muito curioso.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Caline, como vai?

    Também recebi esse livro da Novo Conceito e pretendo lê-lo em breve! Não gosto de ler sinopses, por isso não sabia do que se tratava o livro, então pensava que era sobre algo totalmente diferente do que você disse! Gosto desse tipo de romance!

    Beijos,
    Caroline, do criticandoporai.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi CáLinda! <3
    Awwwwwn, esse livro partiu meu coração em mil pedacinhos. E é ainda mais complicado quando você sabe que isso vai acontecer .. e deixa acontecer. Desde o começo, sabemos que a história não acaba bem, mas de alguma forma, aquele final mexeu comigo. A última cena foi tão bem escrita que eu encharquei a última página do livro. (Sério!) É um tema que muito me interessa, até por ser tão atual e eu nunca antes, havia visto ser abordado em um romance. Sua resenha está linda e olha, entendo a raiva que você sentiu de Isabel, mas eu a via como uma menina mimada, criada isolada de questionamentos, que simplesmente não tinha ideia da consequência de seus atos. Não era possível exigir dela uma maturidade que ela claramente nunca viria a ter, nem mesmo já idosa.

    Um livro que .. </3


    Beijo,
    Mari Siqueira
    http://loveloversblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Ai Ca, eu tive a mesma sensação que você. Este livro é lindamente escrito e eu fiquei nervosa, irritada, chateada e tudo o mais. E sabemos que ainda tem lugares assim né. Isso é o que mais me irrita. Mas imagina então antigamente, você não poder dormir em certos lugares?

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.