Fragmentados - Neal Shusterman (Unwind Dystology #1)

Título Original: Unwind
Autor (a): Neal Shusterman
Data de Publicação: 2015
Número de Páginas:368
Série: Unwind Dystology #1
Editora: Novo Conceito
Classificação:  + 0,5
Livro cedido em parceria com a Novo Conceito 

Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria.
Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.

Já imaginou viver em um mundo onde é permitido e normal que pessoas tenham seus corpos fragmentados e que todas as partes sejam usadas em outras pessoas? Vocês poderiam responder que é isso que acontece com o transplante de órgãos. Parece ser a mesma coisa, mas tem um diferença enorme entre os dois, a fragmentação acontece quando "doador" ainda está vivo. Essa medida bizarra, cruel e inaceitável é o plano de fundo para o romance Fragmentados.

Quando comecei a leitura sabia muito pouco sobre a história e trazia comigo a expectativas de pessoas que haviam lido e gostado muito. O início do livro foi realmente interessante, com alguns momentos cheios de adrenalina e eletricidade, mas a história foi perdendo um pouco o ritmo e se manteve morna pela maior parte do tempo. Quando eu já estava começando a perder as esperanças e decidida a dar um tempo as coisas se agitaram novamente e eu não consegui largar até chegar ao final.

O livro é narrado em terceira pessoa sob o ponto de vista de vários personagens, mas principalmente por Connor, Risa e Lev três fragmentários que conseguiram fugir dos campos de colheita, lugares onde são feitas as fragmentações, e estavam tentando sobreviver até os dezoito anos, idade onde você ficava livre do risco de ser fragmentado. Nenhum dos três teve um destaque especial para mim. Gostei de Connor e principalmente de Risa por ser corajosa, decidida e muito companheira, mas não criei vínculos com eles. Lev me causou mais frustração do que qualquer outra coisa, vamos dizer que nos segundos finais ele tenha conseguido ganhar um pouco da minha simpatia, mas continuo nem aí para ele.

Senti uma "cutucada" do autor no tema aborto, um certo posicionamento contra. A fragmentação era um forma dos pais se livrarem dos filhos indesejados, aqueles adolescentes problemáticos, um aborto tardio. Mas essa pode ter sido uma visão unilateral minha e o autor tenha tentando apenas instigar nosso senso crítico sem se posicionar sobre nada. Como esse é um assunto bastante polêmico prefiro não me aprofundar nessa análise.

Como disse anteriormente a história perdeu seu ritmo durante algumas páginas, mas perto do final ela ganhou fôlego e nos entregou a pior cena e a que para mim foi o ápice de tudo: o processo de fragmentação. Fiquei agoniada, me sentindo mal e incomodada pela forma fria e impessoal com que eles tratavam as pessoas que estavam sendo fragmentadas. Além disso o processo de fragmentação em si, a divisão das partes do corpo, é algo perturbador, arrepiante e a narrativa do autor fez tudo parecer muito real. O pior para mim foi que ao comentar minhas sensações num grupo de leitura do Whatsapp acabei descobrindo que a fragmentação existe de verdade. Não posso entrar em detalhes por que não os conheço, só o que sei é que algo bem próximo à fragmentação acontece em alguns países asiáticos. O acesso a esse conteúdo parece ser possível apenas através da Deep Web, então já dá para imaginar o quão horrível isso deve ser.

Apesar da narrativa em montanha-russa, Fragmentados não é um livro que possa ser ignorado. Neal Shusterman criou uma distopia diferente e que faz o leitor pensar e repensar sobre algumas coisas. O final foi bastante tranquilo e não teve um cliffhangers para nos deixar desesperados pelo próximo volume. Sim, o livro faz parte de uma série de quatro livro que já foram lançados. Agora é esperar que a Novo Conceito nos presentei o mais rápido possível com o próximo.

2 comentários:

  1. Oii, tudo bem?
    Gostei bastante da sua resenha sobre o livro, eu ainda não o conhecia mas fiquei bastante curiosa para ler. Na verdade, sinto um receio em me decepcionar mas o fato de a fragmentação existir já torna minha curiosidade ser bem grande. Vou acrescentar o livro na minha listinha de "Livros para ler mais tarde" Hahaha
    Fique à vontade para visitar meu blog, adoraria vê-la por lá. Um enorme beijo.
    http://palavrasambulantes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Caline! Tudo bom?
    Bom... não poderia perder a sua resenha, né? Você é a primeira que eu vejo dar menos de 4 estrelas a Fragmentados, mas é mais uma que afirmou que a cena da fragmentação contida no livro é... inquietante, agoniante. É legal ver como opiniões que divergem as vezes acabam tendo a mesma conclusão.
    Gostei muito da tua resenha e espero poder ler o livro logo para saber como me sentirei em relação a tudo. Beijos,
    http://www.entreleitores.com/

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.