Na Ilha - Tracey Garvis Graves

Título Original: On The Island
Data de Publicação: 2013
Número de Páginas: 288
Editora: Intrínseca 
Classificação: 

Anna Emerson é uma professora de inglês de 30 anos desesperada por aventura. Cansada do inverno rigoroso de Chicago e de seu relacionamento que não evolui, ela agarra a oportunidade de passar o verão em uma ilha tropical dando aulas particulares para um adolescente. T.J. Callahan não quer ir a lugar algum. Aos 16 anos e com um câncer em remissão, tudo o que ele quer é uma vida normal de novo. Mas seus pais insistem em que ele passe o verão nas Maldivas colocando em dia as aulas que perdeu na escola. Anna e T.J. embarcam rumo à casa de veraneio dos Callahan e, enquanto sobrevoam as 1.200 ilhas das Maldivas, o impensável acontece. O avião cai nas águas infestadas de tubarão do arquipélago. Eles conseguem chegar a uma praia, mas logo descobrem que estão presos em uma ilha desabitada. De início, tudo o que importa é sobreviver. Mas, à medida que os dias se tornam semanas, e então meses, Anna começa a se perguntar se seu maior desafio não será ter de conviver com um garoto que aos poucos torna-se homem.

Imaginem a seguinte situação:

Um acidente de avião.
Dois sobreviventes, um homem e uma mulher.
Caso eles fiquem presos em uma ilha deserta por alguns anos, qual a probabilidade deles se envolverem física e emocionalmente?

Agora, vamos mudar alguns dados e acrescentar outros.

Um acidente de avião.
Dois sobreviventes, uma mulher e um garoto. Ela com 30 anos, ele com quase 17.
Qual a chance de você olhar torto para a história e pensar que um relacionamento entre duas pessoas de idades tão diferentes é algo absurdo?

Quando li a sinopse de Na Ilha pela primeira vez, admito que olhei torto para a história. Não acho legal um relacionamento onde existe uma diferença tão grande de idade. As duas pessoas estão em momentos totalmente diferentes da vida e um dos dois terá que abrir mão de viver muitas coisas para que o relacionamento dê certo. Outro ponto contra é que os exemplos que eu vejo por ai não são nada positivos. O envolvimento de garotas jovens com homens bem mais velhos, geralmente é por interesse, o inverso funciona da mesma forma.

Dá para perceber que eu estava preparada para não gostar do livro. Entretanto, fui pega de surpresa por uma história maravilhosa, que aborda de forma bela, sensível e delicada o relacionamento entre um jovem e uma mulher. É importante deixar claro que a autora teve bastante cuidado com o fator idade. Nada aconteceu entre Anna e T.J. até que ele tivesse quase 19 anos.

O que me desarmou e me fez torcer para que os dois ficassem juntos foi a evolução do envolvimento deles. Eles precisavam um do outro, dependiam um do outro para sobreviver. Vamos dizer que inicialmente era mais uma questão de necessidade, quase um instinto de sobrevivência. Mas, a cada dia que passava, ficava mais forte a certeza de que eles jamais sairiam da ilha e que não voltariam a ver aqueles a quem amavam. A saudade de casa e a tristeza, aproximou os dois. Um abraço, um cuidado, a carência de afeto era muito grande e se existia alguém perto que poderia suprir essa falta e tornar os dias mais suportáveis, era impossível que não houvesse um envolvimento emocional e posteriormente, físico.

A autora foi paciente e cuidadosa ao construir primeiramente uma relação de confiança e amizade, que evoluiu para um romance. Através da narrativa em capítulos que se alternavam entre Anna e T.J., acompanhamos de perto a mudança nos sentimentos, as dúvidas e o nascimento de um amor puro e verdadeiro, forte o suficiente para suportar todas as dificuldades e os preconceitos que um possível retorno para casa os obrigaria a enfrentar.

O relacionamento entre T.J. e Anna evoluiu aos poucos e enquanto isso acontecia, vimos um garoto se tornar homem, amadurecer e vivenciar coisas que muitos adultos nunca vivenciarão. Seu amadurecimento começou muito antes do acidente. Quando o avião caiu na ilha ele estava se recuperando de um câncer tipo Linfoma de Hodgkin. Enquanto seus amigos terminavam a escola e escolhiam a universidade onde iriam estudar, ele lutava para ficar vivo. Ou seja, ele era um garoto apenas na idade. Prova disso é que na ilha desde o momento da queda do avião, suas atitudes e seus pensamentos, já mostravam uma maturidade incomum para um garoto. Tracey Garvis conseguiu capturar bem a voz de T.J., o que não é uma tarefa fácil por se tratar de uma autora. Ela conseguiu mostrar o crescimento emocional e o despertar sexual de T.J. de uma forma emocionante e comovente.

Apesar de T.J.ser meu personagem favorito, não posso deixar de enxergar todas as qualidades que Anna carregava consigo. Ela estava passando por uma grande turbulência emocional e precisava tomar várias decisões importantes, ainda assim conseguiu ser forte, mesmo que tenha derramado algumas lágrimas em situações mais tensas. Admirei seu senso ético ao pensar bastante antes de se envolver com T.J. e sua coragem e força, quando ela foi a voz da razão, deixando os sentimentos de lado, ao enxergar a pressão e o preconceito que eles teriam que enfrentar para ficarem juntos.

O final foi lindo e fez uma bagunça nas minhas emoções. Chorei, sorri, suspirei e virei a última página com a sensação de que Na Ilha é sem dúvida um dos melhores livros que já li na vida.

Minha opinião sobre relacionamentos onde existe uma grande diferença de idade, não mudou, ainda acho errado e desconfortável, mas é claro que existem casos e casos. Entretanto, Tracey Garvis Graves fez com que o envolvimento entre T.J. e Anna evoluísse de forma natural e foi tão bem desenvolvido, tão crível, que foi impossível não se apaixonar e torcer muito para que eles ficassem juntos.

Na Ilha é um romance doce e comovente, uma história de amor que superou todos os preconceitos e dificuldades, que irá encantar os leitores e renovar sua fé na indestrutibilidade do amor verdadeiro.

20 comentários:

  1. O livro parece ser bom, mas não sou muito fã de livros nesse gênero, então vou deixar passar...

    Beijos, Paradoxo Perfeito

    ResponderExcluir
  2. Oi Caline! Eu me sinto como você se sentia em relação ao livro, olho torto para ele, embora já tenha lido muitas resenhas positivas, até pensei em adquirir e tentar ler, mas no final sempre desisto. Que bom que você acabou gostando da leitura, e mesmo não mudando sua maneira de pensar sobre este tipo de romance, a trama te convenceu ao ponto de você torcer pelo casal.
    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  3. HAHAHA amei quando você falou sobre a primeira impressão do livro! Olhei torto para ele, sim. Mas espero conseguir lê-lo para tirar uma conclusão melhor sobre a história.
    Obrigada por me apresentar a esse livro!
    Um abraço.

    Blog Literamagia

    ResponderExcluir
  4. Oooh, parece que eu já vi um filme nesse style O_o
    Eu lembro que gostei, mas não lá grandes coisas. Mas o filme é o filme, e o livro é o livro. Enfim, também tô olhando um pouco torto pra ele, não fui com essa capa O_o
    alokiudhya enfim, talvez eu leia um dia, mas não chamou taaaanta minha atenção assim :/ Mas gostei da resenha :3
    beijos ♥
    likearocklikearoll.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oie,
    nossa não conhecia o livro, mas pelo que você comentou a história parece ser linda!!!
    Vou pesquisar mais sobre ele.

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Caline, tudo bem?
    A sua resenha é a segunda deste livro que leio, e fiquei encantada. Eu também torço o nariz para relacionamentos entre pessoas de idades muito diferentes, mas como você disse há casos e casos. Fiquei interessada pra saber como foi a construção desses relacionamento, pois me parece que foi muito delicada e bela. Dica mais do que anotada.
    Abraços,
    Amanda Almeida
    Você é o que lê

    ResponderExcluir
  7. Aiii eu quero ler este livro. Lendo agora me lembrei da A Lagoa Azul sabe, risos. Eu tinha visto na livraria e queria pegar, mas sabe como é uma loja de doces aquele lugar. hahahahaha
    Preciso muito comprar este livro! :)

    Beijos

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  8. Olá, Caline.
    Sempre tive vontade de ler esse livro, a premissa é bem bacana e a história me lembrou aquela do livro Lagoa Azul. Sem falar que a capa é muito <3.
    Beijos.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oiie
    Nunca tive vontade de ler esse livro e a sua resenha em especial me despertou interesse, com certeza vou ler
    http://contodeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi flor!

    Nunca tinha parado pra ler sobre esse livro, mas fiquei bem interessada. Realmente o fator idade é algo polêmico. Eu quero acreditar que o amor supera qualquer coisa, inclusive os anos de diferença, mas temos que ser realistas, não é bem assim. Mas gostei de saber que a autora desenvolveu bem o relacionamento dos dois, não pulando logo pro romance. Perderia a graça pra mim se fosse dessa forma.

    Beijos
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Caline,
    A primeira coisa que veia a cabeça foi o filme “Lagoa Azul”. Fiquei curiosa para saber como a autora conduziu tanto o relacionamento entre o casal, quanto á sobrevivência deles na ilha.

    *bye*
    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oie, tudo bom?
    Eu pedi esse livro de presente no Natal e até hoje não li, acredita? Depois da sua resenha eu sei que preciso começar a ler em breve porque a narrativa parece mais sensacional ainda. Estar sobrevivendo em uma ilha é uma situação extrema e deve ter influenciado bastante o casal.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Comprei esse livro depois que li uma resenha sobre ele, muito curiosa com o enredo. Mas com tanta coisa pra ler, acabei deixando de lado e acredite: esqueci dele :o
    Agora vc me lembrou que o tenho na estante e PRECISO ler o mais depressa possível rsrs

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi Caline, achei profunda seu último comentário sobre o livro. É difícil mesmo nos desprendermos de alguns preconceitos para ler algo assim, eu também acho que olharia torto para a história... Mas se a autora conseguiu construir isso de maneira série e tão bonita, deve mesmo valer a pena.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  15. Oi, Caline
    Eu concordo que pessoas com idades muito diferentes acabam correndo o risco de um relacionamento mais complicado por essa questão de abrir mão de muitas coisas em função dos diferentes momentos de vida. Entretanto, se é amor verdadeiro, por que não, né? =D
    Fiquei me perguntando se não fica muito monótono um livro com apenas um cenário. Quem sabe um dia eu leia!
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  16. Oi Caline,
    Ah, eu não acho absurdo relacionamentos assim com grandes diferenças de idade. Porque tudo depende da maturidade de cada um. Quando um dos dois é muito jovem, essa diferença parece gritante mesmo, mas eu não vejo como um problema. Mesmo se a autora tivesse criado um romance de maior com um menor de idade, ainda assim não vejo porquê não. Muitas pessoas com quinze anos tem uma cabeça melhor do que outras com trinta. Claro, é uma questão cultural e tem muitas menininhas de quinze que são bobonas de tudo, mas .. se os pais educassem melhor os filhos, eles já seriam maduros mais cedo.
    Acho que eu iria gostar do livro, em especial porque se você diz que foi um dos seus favoritos eu preciso conferir essa leitura!! <3

    Beijos,
    Mari Siqueira
    http://loveloversblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Dividimos da mesma opinião sobre esse livro, menina.
    Ele livro me desarmou do início ao fim. Primeiro porque me mostrou que besteiras como escova de dente e desodorante são tão necessários. hehehehe
    Depois vem esse relacionamento deles que você explicou muito bem. Foi crescente, foi sincero e mesmo que pareça pouco funcional na sociedade hoje em dia, eu consegui encabeçar com autoridade nele a ponto de torcer de verdade para que desse certo. Fiquei muito feliz com o que a autora conseguiu fazer aqui. Livro lindo demais!

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Hey Caline
    vim aqui espiar tua resenha, e me surpreendi. juro que achei que você não ia curtir a leitura rs
    Sei lá, mas pelas suas resenhas sinto que conheço seu gosto literário. Coisa crazy rs
    Eu gostei do livro, apesar de alguns detalhes terem me incomodado, e por este motivo não ter favoritado.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  19. Já vi a capa desse livro milhões de vezes por aí, mas confesso que nunca dei muita bola. Nossa, não fazia ideia que ele era tão bom! Estou procurando livros no estilo desse, que faça "uma bagunça nas emoções". Essa narrativa alternada me atrai bastante (: Resumindo, coloquei o livro na minha listinha de desejados *-*
    Beijinhos

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Olá =)

    Uau! Que resenha!
    Eu sempre fiquei curiosa com este livro, mas sempre torci o nariz com os mesmos pontos que você citou. Também não me agrada muito (não entendo porque) o fato de um relacionamento com tanta diferença acontecer. Mas entendo perfeitamente os pontos positivos que você numerou, e me via ainda mais curiosa para conferir. Gostei disso, do modo como a autora teve um cuidado ao construir o relacionamento do casal. Com uma base sólida.

    Espero poder ler logo. ótima resenha.

    Beijos,
    Livy
    No Mundo dos Livros

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.