O Começo de Tudo - Robyn Schneider

Título Original: The Beginning of Everything
Data de Publicação: 2014 
Número de Páginas: 288
Editora: Novo Conceito
Classificação:   + 0,5
Livro cedido em parceria com a Novo Conceito

O garoto de ouro Ezra Faulkner acredita que todo mundo tem uma tragédia esperando ali na esquina – um encontro fatal depois do qual tudo o que realmente importa vai acontecer. Sua tragédia particular esperou até que ele estivesse preparado para perder tudo de uma vez: em uma noite espetacular, um motorista imprudente acabou com a perna de Ezra, com sua carreira no esporte e com sua vida social.
Depois que perdeu o favoritismo ao posto de rei do baile, Ezra agora almoça na mesa dos losers, onde conhece Cassidy Thorpe. Cassidy é diferente de qualquer pessoa que Ezra tenha encontrado antes – melancólica e com uma inteligência mordaz.
Juntos, Ezra e Cassidy descobrem flash mobs, tesouros enterrados e um poodle que talvez seja a reencarnação do Grande Gatsby. À medida que Ezra mergulha nos novos estudos, nas novas amizades e no novo amor, aprende que algumas pessoas, assim como os livros, são difíceis de interpretar. Agora, ele precisa considerar: se uma tragédia já o atingiu, o que poderá acontecer se houver mais infortúnios?
O Começo de Tudo é um livro poético, inteligente e de cortar o coração sobre a dificuldade de ser o que as pessoas esperam, e sobre começos que podem nascer de finais trágicos.

Quando decidi ler O Começo de Tudo já imaginava o que iria encontrar mesmo sem ler a sinopse. Vi vários comentários sobre o quanto o livro parecia com os romances de John Green, mas mesmo se não tivesse visto eu faria essa ligação. É impossível não comparar quando todos os elementos estão presentes e se mostram tão fortes. O grupo nerd com personagens peculiares, os diálogos inteligentes e permeados de sarcasmo, um protagonista masculino fofo e apaixonante e a garota misteriosa e complicada por quem ele se apaixona.

O Começo de Tudo é um livro legal, nada mais que isso. Tentei escrever esse post inúmeras vezes, fiquei horas em frente ao computador tentando estruturar a resenha e mostrar o que eu senti durante a leitura, mas falar sobre um livro que te deixou no limbo é tão difícil quanto resenhar um que você tenha gostado muito. O último você se sente tão empolgada que não consegue se expressar direito, o primeiro você não encontra palavras porque foi uma leitura comum, sem nada a ser destacado de bom ou de ruim.

O livro tem uma história legal, os diálogos são inteligentes e divertidos e eu simpatizei bastante com Ezra e torci para que ele conseguisse superar as dificuldades e aprendesse bastante sobre o que era realmente importante na vida. Toby, que no início do livro é o melhor amigo de Ezra e que acaba com a cabeça decepada de um garoto no seu colo em uma montanha-russa (sintam o drama), é de longe o personagem mais legal do livro e merecia bem mais destaque e espaço na história.

O livro é narrado por Ezra e apesar de ser um personagem muito legal, preferia que a narração fosse feita em terceira pessoa ou que cada personagem (pelo menos os mais importantes) tivesse voz própria dentro da história. Digo isso porque gostaria muito de entender como funcionava a cabeça de Cassidy.

Quando Cassidy Thorpe apareceu, senti como se já a conhecesse de outras histórias. Ela tem uma personalidade única, mas ao mesmo tempo o seu jeito inteligente, espirituoso, fascinante e misterioso me fez pensar numa mistura de Alasca (Quem é você Alasca?) com Sam (As Vantagens de Ser Invisível). Ela era uma personagem que me incomodava e me deixava inquieta, eu sentia que havia algo errado com ela desde o início. Sabe aquele pressentimento que o personagem vai te surpreender mas não de uma forma boa? Era mais ou menos assim que eu me sentia, nunca dava para saber qual seria seu próximo passo. Provavelmente ela foi a causa para que o livro não me fisgasse.

O final foi uma total surpresa, não pelo segredo em si, mas pela forma como as coisas se desenrolaram depois que a verdade foi revelada. Assim que terminei o livro me senti um pouco enganada pela autora, aquele não era o fim que eu esperava ou queria, mas pensando bastante depois ele foi perfeito. Foi realista ao deixar os sentimentos e dores dos personagens falarem mais alto e ditarem o rumo final da história. O único problema é que tudo aconteceu rápido demais. Tudo estava lindo, perfeito, maravilhoso e 5 páginas depois o livro havia acabado, com muito drama e inúmeras mudanças.

A premissa básica desse livro é que todos tem uma tragédia pessoal que muda sua trajetória de vida. Alguns conseguem tirar o melhor disso e superar, outros fazem da tragédia um motivo para deixar de viver, se entregar ao sofrimento e abrir mão de ser feliz. Lembra bastante Quem é você Alasca? (olha a comparação com o John outra vez).

O Começo de Tudo foi uma leitura legal, mas durante todo o tempo senti que faltou algo. Foi bem escrito, envolvente, divertido e alguns momentos conseguiram me fisgar, mas não conseguiu me impressionar da forma como eu esperava. Vale a pena experimentar, principalmente se você curte um livro cheio de referências, metáforas e muitas reflexões.

6 comentários:

  1. Oi Caline, eu não sei por qual motivo, mas tenho uma boa impressão com esse livro. Não li ainda, mas pretendo fazer isso em breve. Que pena que você não foi totalmente convencida pela história, sei bem como é isso - minhas leituras de março ficaram nesse nível.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Oie Caline
    esses livros assim são sempre os mais complicados de resenhar hahaha sinto a mesma dificuldade com os livros medianos. Nunca sei que pontos citar.
    Eu estava bem empolgada com o livro, pois a maioria das resenhas falava justamente sobre os pontos em comum com as obras do João Verde. Mas sinceramente ? estou começando a me cansar da mesma fórmula dos livros do autor.
    Vou ler sem expectativas.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  3. Sabe do que lembrei depois de ler essa resenha? Do livro "Cidades de Papel", do John Green mesmo, viu. Lá também tem essa garota inatingível, o protagonista nerd e fofo, pelo qual a gente cai de amores rs

    Assim como a Jacque, também estava empolgada, mas agora vou me acalmar um pouco antes de tentar lê-lo. :(((

    Beijão, Caline!

    ResponderExcluir
  4. Oi Caline,
    Confesso que quando recebi esse livro ele não chamou minha atenção, mas agora com você comparando ele à John Green, já me interessou um pouco mais. Eu gosto muito dos livros estilo Cidades de Papel do John, então pode ser que esse acabe me conquistando. Pena que não funcionou para você. Sei bem como é difícil resenhar um livro que não é bom nem ruim.. kkk parece que não existem palavras certas, né? kkk

    Beijos,
    Mari Siqueira
    http://loveloversblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Caline,

    Vi alguns comentários sobre esse livro e estou ansiosa para lê-lo. Você foi a primeira a fazer referencia com o John, mas esse jogo de palavras, metáforas e etc quando bem escritos podem dar uma combinação interessante.
    Pretendo lê-lo em breve e gostar da leitura. Os personagens parecem ótimos! :)

    Beijos,
    Ká Andrade
    http://teens-books.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Caline (:
    Já li O Começo de Tudo e ele se tornou um dos meus livros queridinhos <3 Eu amei simplesmente tudo nesse livro! Não senti que faltou alguma coisa, para mim, ele foi muito bem dosado em tudo. Mentira, faltou uma coisa sim: o Ezra Lindo ser real *-* HAHA
    Assim, também sentia que havia alguma coisa por trás da Cassidy, mas ela não chegou a me incomodar o/
    Engraçado como duas pessoas podem ter opiniões diferentes sobre o mesmo livro, acho isso ótimo, imagina conviver só com pessoas com o pensamento igual, não iria ter graça!

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.