Laços Inseparáveis - Emily Giffin

Título Original: Where We Belong
Data de Publicação: 2012
Número de Páginas: 448
Editora: Novo Conceito
Classificação: 
Livro cedido em parceria com a Novo Conceito

Marian Caldwell é uma produtora de televisão de 36 anos, vivendo seu sonho em Nova York. Com uma carreira bem-sucedida e um relacionamento satisfatório, ela convenceu todo mundo, inclusive si mesma, que sua vida está do jeito que ela deseja. Mas uma noite, Marian atende a porta... para apenas encontrar Kirby Rose, uma garota de 18 anos com a chave para o passado que Marian pensou ter deixado para trás para sempre. Desde o momento que Kirby aparece na sua porta, o mundo perfeitamente construído de Marian — e sua verdadeira identidade — será chacoalhado até o fim, fazendo ressurgir fantasmas e memórias de um caso de amor apaixonado que ameaça tudo para definir quem ela realmente é. Para a precoce e determinada Kirby, o encontro vai provocar um processo de descobrimento que a leva ao começo da vida adulta, forçando-a a reavaliar sua família e seu futuro com uma visão sábia e doce. Enquanto as duas mulheres embarcam em uma jornada para encontrar o que está faltando em suas vidas, cada uma irá reconhecer que o lugar no qual pertencemos normalmente é onde menos esperamos — um lugar que talvez forçamos a esquecer, mas que o coração se lembra eternamente.

Há muito tempo me tornei fã de Emily Giffin e bastou apenas um livro para que isso acontecesse. Seus dramas e personagens reais, sua forma envolvente e inteligente de escrever são elementos que nos fazem gostar de suas histórias mesmo que muitas vezes não concordemos com o que acontece nela. Em Laços Inseparáveis, a autora mostrou mais uma vez o seu dom de criar belas histórias, cheias de lições e personagens reais, cheios de defeitos e tão humanos quanto eu ou você.

Laços Inseparáveis é narrado em primeira pessoa e os capítulos se alternam entre Marian e Kirby. Em alguns momentos fiquei um pouco confusa, porque não deu para sentir muita diferença entre as duas formas de narração, mas o lado positivo é que quando cada uma contou um pouco da sua história pude conhecê-las melhor, principalmente a adolescência de Marian e tudo o que aconteceu no verão quando ela conheceu Conrad e engravidou de Kirby.

Marian alcançou sua redenção no decorrer do livro. Ela conseguiu perceber o quanto havia errado e principalmente o quanto havia perdido, mas eu não consegui perdoá-la ou ao menos entendê-la. Emily Giffin tentou justificar as atitudes de sua personagem, tentou nos fazer entender o quanto ela era imatura e como ela não estava preparada para criar e cuidar de uma criança, tentou mostrar um lado altruísta e nos fazer simpatizar com Marian e sua decisão, mas eu só consegui enxergar uma garota que desejava um futuro brilhante e que via em um bebê um empecilho para isso. 

Quando Conrad foi introduzido na história, estava pronta para odiá-lo. Marian falava "daquele verão" como algo que ela preferia esquecer e eu imaginei que ele fosse o grande culpado por isso, mas minha impressão inicial mudou completamente quando fui apresentada ao garoto roqueiro com fama de mau, mas com um coração maravilhoso e completamente apaixonado. Além de não conseguir perdoar a Marian por ter abandonado a filha, não consegui perdoá-la também por ter feito o que fez com o coração do pobre garoto.

A maturidade de Kirby foi algo admirável. Fiquei tentando me imaginar vivendo a mesma situação e eu sei que jamais seria tão tranquila, bem-resolvida e madura com o fato de que a minha mãe biológica havia me dado para adoção não por altruísmo, ou por falta de condições de me sustentar, mas por puro egoísmo. Em nenhum momento ela pressionou Marian para saber quem era o seu pai e porque ela foi entregue para outra família. Ela foi paciente e apenas quando percebeu que sua mãe biológica não falaria por vontade própria, começou a questioná-la. O mais interessante é que eu não vi acusação, mágoa ou decepção em suas palavras, ela apenas queria entender o que aconteceu, sem julgamentos.

Minha única crítica negativa ao livro, é que apesar da quantidade de páginas, senti como se a história não tivesse alcançado a profundidade que o tema tratado merecia. Não consigo explicar muito bem em palavras, mas enquanto lia senti que apesar de ser um livro incrível e com uma história linda, faltou algo para me conquistar de vez e entrar na lista dos favoritos.

Quanto menos folhas faltavam para o final, mais eu me questionava como a Emily fecharia a história faltando tão pouco e foi ai que eu tive uma grande surpresa e confesso que ainda não cheguei a conclusão se foi boa ou ruim. Sinceramente, desejaria que o livro tivesse continuação, ficaram coisas em aberto o que me deixou cheia de perspectivas, mas certamente era isso o que autora desejava. A vida não é uma história com um roteiro escrito com começo, meio e fim definidos, muita coisa pode acontecer, tudo pode acontecer.

Laços Inseparáveis é uma linda história sobre perdão, arrependimentos e novas chances, um livro marcante e envolvente, de grande sensibilidade e intensa doçura.

8 comentários:

  1. Já vi alguns comentários sobre esse livro (e a autora!), a maioria positivos, mas acho que ele não é pra mim... Não sei, esse tipo de história geralmente não me agrada tanto, prefiro outros gêneros. Claro que às vezes a gente tem que dosar, então, se eu tiver oportunidade e estiver me sentindo confortável para ler esse livro, com certeza lerei (:

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nunca li nada da Emily e sempre quero pegar, mas acabo deixando para depois. Já li outros comentários de que ela realmente escreve histórias reais, que nem sempre terminam do jeito que a gente quer. Mas isso é interessante, porque sempre queremos ser surpreendidos e reclamamos quando encontramos um final previsível. ;)
    Preciso ler logo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Ei Caline

    Eu gostei muito do livro e dos personagens, mas achei que o final ficou totalmente no ar não é? tbm queria uma continuação, nem que fosse um livro da Kirby mais velha rs.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Oie Caline =)

    Não li nada da Emili Giffin ainda, acredita? Tenho bastante curiosidade já que todo mundo que lê fica apaixonado pelos livros dela. Só que sabe quando vc sente que não está no momento de ler determinado livro? É isso que ocorre comigo, sempre que penso em ler um livro dela.

    Esse livro parece lindo!

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  5. Oie,
    já vi a capa do livro por ai, mas confesso que ainda não li. Parece ser bom, mesmo eu não sendo muito fã de livros desse gênero.

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  6. Hey flo!

    O livro parece ser lindo, amei essa capa e todos elogiam a autora. Mas nunca li nada dela :/ tô achando que vou começar por esse! Hehe amei a resenha

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Caline,

    Ainda não li nada da Emily, mas pretendo conferir um dos trabalhos dela para ver se vai me agradar. A resenha está ótima, e seguindo seu ponto de vista, já estou vendo que vou implicar com a protagonista. Mas veremos...

    Abraços!

    http://milvidasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oii!!
    Eu amo os livros da Emily, a narrativa da autora é mesmo super envolvente!
    E os ensinamentos são muitos! *_*
    Beijos

    Elidiane
    Leitura entre amigas

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.