Um Porto Seguro - Nicholas Sparks

Título Original: Safe Haven
Data de Publicação: 2012
Número de Páginas: 414
Editora: Novo Conceito
Classificação:
Livro cedido em parceria com a Novo Conceito


Quando uma mulher misteriosa chamada Katie aparece repentinamente na pequena cidade de Southport, na Carolina do Norte, questionamentos são levantados sobre seu passado. Linda, mas discreta, Katie parece evitar laços pessoais formais até uma série de eventos levá-la a duas amizades relutantes: uma com Alex, o viúvo, com um coração maravilhoso e dois filhos pequenos, a outra com sua vizinha muito franca, Jo. Apesar de ser reservada, Katie começa a baixar a guarda lentamente, criando raízes nessa comunidade solícita e tornando-se próxima demais de Alex e de sua família. No entanto, quando Katie começa a se apaixonar, ela se depara com o segredo obscuro que ainda a assombra e a amedronta: o passado que a deixou apavorada e a fez cruzar o país para chegar no paraíso de Southport. Com o apoio simpático e insistente de Jo, Katie percebe que deve escolher entre uma vida de segurança temporária e outra com recompensas mais arriscadas... e que, no momento mais sombrio, o amor é seu único refúgio.

Quem já leu todos os livros lançados do Nicholas Sparks, já deve ter percebido (por mais que seja super fã) que suas histórias já não tem mais nada de inovadoras. Até um certo momento não me incomodei com isso, porque não li todos os seus livros e aqueles que eu escolhi ler tinham detalhes que tornavam a história interessante, envolvente e emocionante, mesmo com sua dose de clichê.

Porto Seguro foi a minha última leitura do autor e provavelmente será a última de verdade. Dessa vez o que já vinha irritando certos leitores e fazendo com que eles abandonassem os livros do Nicholas, me atingiu também. Queria acreditar que ele ainda é capaz de escrever algo que me faça chorar, me faça suspirar ou que faça meu coração bater mais forte, mas não acredito que isso possa acontecer. Por isso antes de ser uma resenha, esse post é um aviso de desistência. Nicholas querido, eu estou abandonando você, porque por mais que você tenha achado a fórmula do sucesso e seus livros vendam como água, para mim as suas histórias não funcionam mais. Caso você resolva inovar e surpreender, eu posso reconsiderar a minha decisão.

Quando comecei a ler Um Porto Seguro, minhas expectativas estavam altíssimas. Minha irmã tinha lido ele antes de mim e estava completamente in love com a história. Perfeito, incrível, lindo, emocionante, foram tantos elogios que assim que apareceu uma brechinha no meu tempo, comecei a ler. Nem preciso dizer que criar expectativas com relação a um livro é péssimo para a leitura (aliás criar expectativa com relação a qualquer coisa é contra-indicado). Conheço a fórmula do Nicholas, mas ele sempre conseguia me surpreender ou me emocionar em algum momento, por isso eu imaginei que minha irmã estava certa e esperei pelo momento em que seria arrebatada pela história, mesmo que ela fosse cheia de clichês.

Foi uma leitura longa, tediosa, cheia de detalhes insignificantes e com um enredo cheio de falhas. Pensei em largar o livro diversas vezes, mas ainda existia um mínimo de esperança que não me permitiu fazer isso. O problema é que o final do livro chegou e o arrebatamento não veio. Faltou algo, faltou tudo. Faltou emoção de verdade, não daquela que nos faz chorar, mas daquela que nos prende à história, que nos faz torcer pelos personagens e que nos deixa satisfeitos mesmo quando o final é perfeito mas não é o que a gente queria.

Alex e Katie formram um casal muito legal. Ela demorou um pouco para se deixar envolver, teve medo que seus segredos fossem descobertos ou que seu passado voltasse para assombrá-la, mas Alex foi insistente e usou de todas as armas para conquistá-la.

O problema no livro está no detalhamento desnecessário de algumas cenas (o que torna a história mais longa do que deveria) e na criação de alguns personagens. O ex-marido de Kate, por exemplo, foi a maior pedra no meu sapato (e no dela também, coitada). Ele era louco, literalmente, e eu senti mais pena do que raiva das suas atitudes e sinceramente querido Nicholas, um homem como ele, que fez o que fez, jamais deveria despertar pena nas pessoas.

O livro também tem um toque sobrenatural, algo misterioso que eu descobri logo de cara e que foi mais um ponto que não fez tanta diferença na história, pelo menos para mim.

Se você é fã do Nicholas e acredita que suas histórias mesmo sendo tão repetitivas ainda são incríveis, esse livro é pra você. Se você nunca leu nenhum livro do Nicholas e está pensando em começar, escolha outro. Agora se você assim como eu tem um histórico de amor e ódio com os livros do autor, eu aconselho que leia, mas não com muitas expectativas e tire suas próprias conclusões. 

P.S.: Obviamente irei assistir ao filme. Sempre gosto mais das adaptações dos livros do Nicholas do que das histórias escritas. 

9 comentários:

  1. Oi, Caline!

    Fico mesmo muito triste que você não tenha gostado da história. Desse eu gostei, mas entendo o que você quis dizer sobre Nicholas ter encontrado a fórmula mágica e agora estar vendendo livros como água, sem inovar, sempre mais do mesmo. Eu acho que ainda não cheguei no ponto de desistir dele porque gosto da sua maneira de narrar, até mais do que das próprias histórias em si. A narrativa me acalma, sabe? Não sei explicar.

    Eu me decepcionei bastante com alguns livrinhos dele que li. Os meus favoritos são: "Um amor para recordar" e "A última música". Desde então, acho que ele não criou nenhum livrinho capaz de entrar para a minha listinha de favoritos. Mesmo "Um Porto Seguro", do qual eu realmente gostei, mas não foi o tipo de leitura inesquecível.

    Beijos,
    Inara
    http://www.lerdormircomer.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Caso raro: gostar mais das adaptações. Mas tenho que concordar que os do Nicholas estão mais para isso mesmo. Tenho alguns para ler, mas não me animei mais. Tem que ser naqueles momento que água com açúcar basta. Sem expectativas, com certeza.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ei Caline,

    Eu não li tantos livros (apesar de já ter comprado um monte) do autor para ter esta sensação de achar tudo igual, eu li Um homem de sorte e este que eu adorei, mas só não amei pq achei o final muito corrido. Li também a A escolha, este eu gostei menos, achei meio chatinho.
    Os outros ainda não li nenhum, ta na cara que é bem clichê mesmo, mas só isso não me impede de gostar não. Eu quero pegar um dele que é triste, para ver se vou gostar mais. Mas nem quero saber quais são, odeio quem começa resenha do Nicholas assim "ah este pode ler sem medo, o final é feliz" que ódio!! kkkkkkkkk

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá Caline,

    Já li alguns livros do Nicholas, este ainda não.
    Mas, você já leu o último livro do autor, publicado recentemente aqui no Brasil? "O Guardião? Tem suspense e achei bem diferente do que ele costuma escrever, claro ainda existe o romance, mas está original.
    Ainda pretendo ler esse livro, na verdade, é um dos que mais tenho vontade de ler.

    Lucas / Era uma vez

    ResponderExcluir
  5. Oi, Caline!
    Uma pena que a leitura de Um Porto Seguro não tenha te agradado. Eu pelo contrario gostei muito, muito mesmo. Acho sim que o autor já tem a forma pronta, mas mesmo assim sempre me encanto com os livros do Nicholas. Claro que depende muito da ordem de publicação dos livros dele aqui no Brasil, porque o que esse homem tem de livro, não é possível todos serem no mesmo estilo. E sobre o sobrenatural, não descobrir até o final do livro, poisé... rs.

    Beijos, Leitura da Vez!

    ResponderExcluir
  6. Acho que você vai se decepcionar até com o filme, pois foi bem fraco mesmo, eu desisti também no Nicholas, quer dizer, tenho Melhor de Mim por aqui e provavelmente vou ler, mas não tão breve. Ele precisa se reciclar, fazer alguma coisa diferente, dar um tempo e esvaziar a mente e tudo mais, pra ver se começa a escrever aqueles romances que nos fazem solução.

    Michelle Boyd
    The Little Things

    ResponderExcluir
  7. Ai, Caline... HAHAHAHAHA Não tive como não rir. Eu tenho esse sensação há um bom tempo. A fórmula do Nicholas não funciona mais pra mim. Acho que lendo dois ou três livros, a pessoa até engole e gosta, mas outros... Fica sempre naquela mesma coisinha, mimimi, não aguento! Fora quando acontece aquelas coisas hiper dramáticas (tá aó O melhor de mim como exemplo) que eu odeio com todas as minhas forças ahsuhauhsa

    Enfim, já estava desanimada... Tua resenha não adicionou muita coisa além da certeza de que não vou ler esse título tão cedo xD

    PS: Em "O melhor de mim" também tem esse toque sobrenatural, né? Também achei que não fez diferença.

    Beijão!

    ResponderExcluir
  8. Oi Caline.
    Eu não morri de amores por Save Haven, mas eu gostei de ler.
    Realmente o livro tem uma descrição desnecessária sobre o marido da Katie, já que ele era um louco agressivo não deveria despertar pena do leitor, mas o romance entre Katie e Alex pra mim valeu a pena.
    Sinceramente não sei se o filme vai valer a pena, mas vou assistir um dia desses ;)

    ResponderExcluir
  9. Caline, como assim você gosta mais dos filmes do que dos livros?! hahahaha Até hoje só um filme me agradou mais do que o livro no qual ele foi baseado - e não foi do Nicholas Sparks.

    Mas, de fato, esse livro do Nicholas Sparks também não me agradou muito... e o meu maior problema não foi o ex-marido da Katie... Quem não conseguiu me ganhar foi o Alex. Gosto demais de Nicholas Sparks, mas essa história também não conseguiu me ganhar.

    Beijos,
    Nanie

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.