Qual o Seu Número? - Karyn Bosnak

Título Original: What's Your Number?
Data de Publicação: 2011
Número de Páginas: 414
Editora: Novo Conceito
Classificação:

Delilah Darling tem quase 30 anos e já se relacionou com 19 rapazes. Sua vida sentimental não tem sido exatamente brilhante, pois todo cara que conhece parece fugir do relacionamento. Quando lê uma matéria no jornal em que a média de homens para uma mulher de 30 anos é de 10,5, fica desesperada e assustada por estar muito acima dela. Além de tudo, o artigo no jornal terminava falando que, se a mulher tivesse o número acima dessa média, seria impossível a pessoa certa. Na tentativa de não aumentar seu número e perder de vez a chance de se casar, Delilah sai à procura de seus antigos namorados e tenta reconquistá-los. Será que um deles estará disposto a esquecer o passado e começar uma linda história de amor? Qual Seu Número? revela os segredos de cada mulher e prova que, quando se trata de assuntos do coração, números são apenas uma fração de tempo.

Geralmente antes de comprar um livro eu pesquiso bastante sobre ele. Skoob, Goodreads, blogues literários que não são influenciáveis, são alguns dos instrumentos usados para que eu me decida. Algumas vezes acredito que o livro pode entrar na minha lista de favoritos e acabo me decepcionando, outras vezes o livro corresponde e até supera as minhas expectativas, mas são raras as vezes que eu começo uma leitura esperando uma coisa e me surpreendo, foi exatamente isso que aconteceu com Qual o Seu Número? de Karyn Bosnak.

Um chick-lit, uma protagonista descontente com seu corpo, atrapalhada e muito imatura, era isso que eu esperava encontrar, mas Qual o Seu Número? foi muito além disso. Não consigo explicar porque mas esse livro mexeu demais comigo. Não estou falando de chorar, me emocionar ou que a história mudou profundamente a minha vida, mas Dalilah e seu jeito meio desbaratinado me fez repensar sobre algumas coisas e a prestar atenção nos sinais que a vida dá, mesmo que eles pareçam pequenos e sem muita importância.

Delilah é fácil??? Talvez, mas pular de uma cama para outra foi a forma que ela encontrou - deturpada - para procurar "o cara", aquele que provocasse um Bum! no seu coração. É claro que a forma que ela usou para encontrar o homem certo não foi o mais aceitável, mas como ela mesmo analisou não foram apenas "ficadas" que acabaram em sexo, foram relacionamentos que não deram certo, e quem tiver a chance de ler o livro sabe que Delilah não é o tipo de mulher que desiste fácil.

Enquanto tentava encontrar o amor entre os seus ex, Delilah amadureceu e atingiu a idade mental compatível com sua idade natural, rsrs. Admito que me irritei horrores com ela, como alguém pode ser tão inocente, cabeça dura, infantil e MALUCA???? Comprar um cachorro, ser internada numa clínica de reabilitação e espionar disfarçada foram apenas algumas de suas ideias para conseguir se reencontrar com os seus ex e descobrir se algum deles era o homem da sua vida que ela havia deixado passar sem perceber. O que ela não sabia ou não verdade não tinha percebido é que o homem da sua vida está mais perto do que ela imaginava.

O livro é narrado em primeira pessoa, então vocês deve imaginar o quanto foi divertido acompanhar as loucuras e pensamentos absurdos que passavam na cabeça de Delilah principalmente enquanto ela planejava como se aproximar de uma das suas "vítimas".

Adorei todos os personagens secundários, principalmente a mãe de Delilah - louca de pedra e acha que a filha nunca arranja um namorado porque é lésbica - e o avô de de Delilah que dá os melhores conselhos do mundo. Mas Colin foi o melhor de todos, queria que ele tivesse participado mais da história e distribuido mais sua simpatia e charme irlândes.

Não tenho costume de marcar os meus trechos preferidos no livro. Geralmente leio tão empolgada que na hora até acho esse ou aquele quote legal mas acabo esquecendo de marcar. Mas como eu disse no início dessa resenha Qual o seu número? foi diferente até mesmo nisso. Eu lia um trecho e achava o máximo, lia o seguinte e achava melhor e de repente lá estava eu com uma folhinha de caderno anotando todos os quotes legais do livro, e diga-se de passagem foram muitos.

Qual o Seu Número? é uma leitura leve e divertida que da forma mais doida possível nos mostra que até mesmo nossos piores erros são uma acréscimo para nossa vida, que não devemos nos importar com que os outros pensam de nós e principalmente que devemos prestar atenção ao sinais que a vida nos dá porque aquela pessoa especial pode estar mais perto do que imaginamos e passamos pela vida com tanta pressa e tão desatentos que não conseguimos enxergar.

P.S.: Dessa vez decidi colocar os quotes que eu achei mais legais no fim do post, não consegui encaixá-los no texto e não poderia deixar de colocá-los aqui só por isso, rs.
- Ah, é claro – eu digo, em tom irônico. – Quer dizer que, se a sua namorada tivesse dormido com 20 outros homens antes de você, isso não teria importância?
- Eu não me importaria, porque nunca perguntaria algo assim a ela. Independente do número dela ser 20 ou 1, que diferença isso faria no nosso relacionamento? Isso me faria rir mais forte com as piadas que ela me conta? Isso faria com que o nosso envolvimento fosse mais intenso? Não. Isso não tem nenhuma importância real em um relacionamento. De maneira alguma. Afinal, o fato de uma mulher ser pudica e recatada pode ser emocionante por alguns momentos, pois é sempre bom superar desafios para conseguir o que queremos. Mas, no fim das contas, isso não é muito diferente de uma embalagem, ou um detalhe. Quando você está em um relacionamento, o que conta é a essência de uma pessoa, e não os detalhes da embalagem.
P.333

- Você conhece aquela desculpa "O problema não é você, o problema sou eu"? - pergunta Colin.
Eu faço que sim com a cabeça. Já usei essa desculpa, e já usaram essa desculpa comigo.
- Eu repito várias vezes quando termino um namoro, mas não é exatamente isso o que eu sinto. A razão pela qual os meus relacionamentos terminam não está em mim, mas também não te a ver com a mulher com quem eu estou. Não sou eu, não é ela, mas nunca conseguimos nos chamar de nós. É difícil saber o que faz duas pessoas se sentirem como uma só. Provavelmente porque deve ser impossível descrever isso com palavras. É algo que precisa ser sentido. [...]
P.339

- Você vai ficar bem - diz ele - Você sabe disso, não é?
- Eu sei, Simplesmente estou arrependida de várias coisas que fiz, só isso. Cometi muitos erros.
- Ah... isso não existe! O que existe são as escolhas que fazemos e suas consequências. Só isso.
- Eu sei, mas não consigo para de pensar que, se eu tivesse feitos as coisas de maneira diferente, talvez as consequências não fossem as mesmas.
- É claro que não seriam, mas você também não seria a mesma. Tudo que você faz na vida, seja bom ou ruim, faz de você quem você é. Não fique remoendo suas decisões, dizendo "talvez". Você não pode mudá-las.
- É mais fácil dizer do que fazer.
- Você tem razão - diz ele, acariciando meu ombro. - Mas se você vai pensar sobre o seu passado, em vez de pensar nas razões pelas quais não deveria ter feito o que fez... é melhor pensar nas razões pelas quais fez aquilo que fez.
P.389

14 comentários:

  1. Eu tbm gostei muito do livro! E super divertido e levinho, uma leitura deliciosa e que garante boas risadas!

    beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Caline!

    Eu li esse livro a muito tempo, mas me diverti muito. Ri muito. É um livro grande, entretanto ele prende tanto que mal vi as páginas passarem.
    Já o filme... péssimo. Mudaram tudo, fizeram muita bagunça e não teve nem 1/3 do humor do livro. :(

    Beijos!

    Máh - Storm of Books.

    P.S - Caline, está acontecendo um Book Tour do livro A culpa é das estrelas no meu blog. Caso queira participar, dê uma olhada na postagem. É uma ótima leitura!

    ResponderExcluir
  3. Poxa, adorei sua resenha, pena que não gostei tanto assim do livro!
    Achei a personagem principal muito infantil e maluca, me irritou muito e o livro meio "nas alturas", sabe? Acho que não existe mulher doida desse jeito pra fazer o que ela fez, só pra encontrar o homem da vida, haha (ou tem?).
    Mas, como disse, adorei a resenha ^^

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Todo mundo adora esse livro, só eu que não consegui me empolgar muito. Até me diverti, mas não gostei da "moral da história" no final. Concordo que ninguém tem nada a ver com a vida de ninguém, que cada um faz o que quiser com o próprio corpo e que não dá pra ficar remoendo os erros do passado. Até aí ok. Só que o que eu senti é que ela estava dizendo "durma com todo mundo, mesmo e daí?" e eu acho absurdo como a sexualidade virou uma coisa tão banal, como os relacionamentos são descartáveis e tal.Isso acabou estragando o livro pra mim :(

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro quase tudo da Novo Conceito, UHAUHAUAUAUUAHU
    Não li este livro ainda, mas vi o filme, e fiquei interessada sabe
    em ler, e com essa resenha positiva deu mais vontade ainda.

    http://thelittlethings2you.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi!!!! Com tantos comentàrios bons, sempre quis ler esse livro!!!! E adorei a sua resenha a respeito. Na 1ª oportunidade, vou comprá- lo.

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Ei Caline!

    Acredita que eu não gostei tanto? Rs
    Acho que a gente não combina muitoooo nas avaliações.
    Eu esperava me divertir muito mais do que realmente ocorreu.

    Bjins

    ResponderExcluir
  8. Oi, Caline!
    Quase todo mundo também gostou muito desse livro. Eu me decepcionei um pouco... Enquanto a Delilah estava viajando, foi difícil engolir as loucuras dela. Achei exagerado, sabe? Mas sim, é bastante divertido e vale sim a leitura.
    E Colin, né? ♥ Também queria que ele tivesse participado mais da história pois as partes em que ele apareceu foram as que eu mais gostei! :D

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Para ser sincera essa é a primeira resenha que leio sobre esse livro, mas há um tempo que tenho vontade de lê-lo, assim como tenho vontade de assistir ao filme. Gostei dos quotes!!!

    *bye*

    Louca por Romances

    ResponderExcluir
  10. Oi Caline, eu também adorei a leitura desse livro. Não achei ele nada inovador, mas eu ri como há muito não tinha rido com uma história. A Delilah é tudo isso que você citou, mas é exatamente por isso que eu gostei dela. Ela, apesar de tudo, não é chata e reclamona, só é desvairada.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Ei Caline,

    Eu também tenho mania de pesquisar até sobre um livro antes de decidir se quero ler, mas parei um pouco com isso...porque tenho que fazer uma lista de onde posso ler, as vezes falam tanto spoiler que fico é irritada rsrsrs. Eu odeio spoilers :P

    Eu gostei deste livro, achei divertido e me solidarizei com o drama da protagonista, não é fácil mesmo achar a pessoa "perfeita". Não entendi pq tanta gente criticou tanto a coitada. Mas eu não achei super engraçado naõ, sei lá, faltou algo para entrar na lista dos chick-lits que adorei.

    bjs

    ResponderExcluir
  12. Oi Caline!
    Também adorei a narrativa de Qual o seu número? A Delilah é muito louca!
    Super divertido e leve.
    Beijos
    Amanda
    leiturahot.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Oi, Caline!
    Eu adoro essa estória, mas meu problema com o livro foi que vi o filme primeiro e não pude deixar de comparar. O Colin é demais, ele realmente podia ter aparecido mais, mas não tinha como ele acompanhar a Delilah pelo país, né. UASHAUSHAUSH Que louca.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oiii, tudo bem?
    Odeio ver filmes antes de ler livro, mas acabei vendo Qual É o Seu Número e adooorei. Já tava louca para ler, agora depois da sua resenha... Sério, adorei o jeito que você escreveu e colocou os pontos do livro, sua resenha ficou muito boa!
    E agora mais do que nunca eu preciso desse livro hahaha

    Beijoss
    Thaís - Instinto de Leitura

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.