Um Dia - David Nicholls

Título Original: One Day
Data de Publicação: 2011
Número de Páginas: 416
Editora: Intríseca
Classificação:



Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro. Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas - vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. E, conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.


Um Dia de David Nicholls é um livro genial, escrito de uma forma completamente diferente e com uma carga emocional muito grande. Infelizmente mesmo com todos esses predicados e mais alguns outros, Um Dia não é nada do que eu esperava e a história de amor e amizade, encontros e muitos desencontros entre Em e Dex não funcionou para mim.

Quando terminei o livro uma pergunta ficou reverberando na minha cabeça: porque eu não gostei de um livro que é sucesso de críticas, que todo mundo amou e que até mesmo a adaptação para o cinema não deixou a desejar?

A resposta para essa pergunta não é tão simples, até porque como falei acima Um Dia é um livro denso, muito bem escrito e que retrata o relacionamento entre duas pessoas de uma forma completamente diferente. Então vamos analisar por partes, quem sabe ao final dessa resenha eu possa ter descoberto junto com vocês porque eu não faço parte da maioria dos leitores que elegeu o livro como um dos seus queridinhos.

15 de julho, dia em que Em e Dex se conheceram, é também o dia escolhido pelo autor para narrar todo o livro. Cada capítulo retrata apenas fatos acontecidos no dia 15 de julho, desde 1988 até 2008. Essa forma de narrativa é bem diferente. Muitas pessoas acharam legal e até mesmo instigante uma vez que não importava se algo significativo poderia acontecer no dia 16, o capítulo acabava quando o fim do dia chegava, e nós tinhamos que imaginar o que havia acontecido. É claro que o autor não deixava nada sem resposta, no capítulo seguinte ou em algum outro mais na frente ele introduzia alguns flashbacks para que os leitores soubessem o que tinha acontecido no dia 16 e nos dias subsequentes.

O problema é que essa forma de narrativa não me agradou muito. Nem sempre aconteciam coisas relevantes nos dias 15 e por isso muitas vezes os capítulos retratavam apenas o cotidiano dos dois, o dia-a-dia, momentos sem importância e que não trouxeram nada de interessante a história. Sinceramente, se esses capítulos "corriqueiros" fossem retirados do livro a leitura teria ficado muito menos cansativa e entediante.
Além disso essa forma de narrar apenas um dia por ano da vida de Dex e Em não permitiu que o autor se aprofundasse na vida dos dois, que detalhasse mais as situações que eles viviam e isso tornou os capítulos bastante superficiais. Não tinha como se aprofundar quando tudo começa e termina em um só dia.
Para mim essa forma de narrativa deixou um sensação de vazio. Ahhh... eu também imaginei que algo de muito importante (além deles terem se conhecido) tinha relação com essa data, mas no final eu descobri que foi só por isso mesmo que a data foi escolhida, Dex e Em se conheceram.

Os primeiros capítulos se arrastam e parece que a história não vai a lugar algum, os parágrafos são gigantescos (muitas vezes tinham apenas dois parágrafos por página), quase sem diálogo (adoro diálogo, preciso da interação direta entre os personagens) e eu me sentia tão esgotada e "deprimida" com a vida horrorosa daqueles dois que sempre pausava um pouco até recuperar minha vontade de ler.
As coisas só começaram a ficar mais interessantes a medida que Emma e Dexter vão amadurecendo. Depois de muitos anos Dex começa a perceber que é um idiota de marca maior e Em consegue encontrar o seu caminho, mas até que isso aconteça muitos desencontros e decepções vão preencher a vida do dois.

O autor tentou criar personagens com personalidades realistas para que os leitores se identificassem com eles. Ele queria que nós percebessemos que histórias como a de Em e Dex podem acontecer com qualquer pessoa e que eles são cheios de problemas, dúvidas, inseguranças e incertezas como qualquer pessoa comum. O grande problema é que ele tentou tanto fazer com que os personagens tivessem personalidades realistas e plausíveis que eles acabaram fugindo da realidade. Emma e Dexter eram pessoas chatas demais, inseguras demais e que na verdade pareciam ter todos os defeitos do mundo e nenhum qualidade.

Emma Morley apertou um botão de espera desde o dia em que conheceu Dexter. Ninguém era bom o suficiente, nenhum relacionamento tinha futuro e ela não tinha coragem de dizer o que sentia mesmo quando tudo ao seu redor conspirava pra isso. Além de tudo sua vida profissional ia de mal a pior e durante anos ela permaneceu estagnada em lugar nenhum. Medrosa, sem auto-estima e amor próprio, covarde e presa a um amor estranho e absurdo, Emma era a imagem do desleixo e da fraqueza de caráter.

Em oito anos, não se passou um dia sem que pensasse nele.
Emma - P.288
-Então, você acha que é verdade o que dizem? Sobre garotas gostarem de bastardos.
-Ele não é um bastardo. Ele é um idiota.
-Então as garotas gostam de idiotas?


De todos os livros que eu já li não lembro de ter encontrado um personagem tão cafajeste, idiota, egoísta e imaturo quanto Dexter Mayhew. As únicas coisas que lhe importavam eram sexo, drogas e sempre ser o centro do universo. Nunca lembrava de Emma a não ser quando se encontrava em apuros ou quando estava solitário, ou seja, ela sempre foi sua segunda, quem sabe até terceira opção e o mais irritante de tudo é que na maioria das vezes ela sempre estava a disposição para ajudá-lo.

Mas o tempo, a maturidade e a vida modificou alguns pontos de suas personalidades e muitas coisas mudaram, mas eu deixo que esses detalhes vocês descubram quando lerem o livro.

- Dexter, eu te amo muito. Muito, muito, e provavelmente sempre amarei. – Os lábios dela encostaram no rosto dele. – Só que eu não gosto mais de você. Sinto muito.
Emma - P.206


Se para alguns o final foi surpreendente, para mim foi uma forma que o autor encontrou de tentar consertar o ritmo lento e desestimulante que se seguiu durante todo o livro, ele queria despertar fortes emoções, lágrimas, choque, deixar o leitor completamente aturdido. Certo, admito que fiquei surpresa, esperava um final TOTALMENTE diferente, o David devia isso a mim, a você e a Emma também, mas sem dúvida alguma foi melhor do que o final que a maioria dos leitores desejava e que eu imaginei.

Um Dia é um livro maravilhoso, inteligente e merece ser experimentado, o problema no meu caso, é que ao invés de me tocar o relacionamento entre Dex e Em me causou tédio e frustração e por isso o livro passou longe das expectativas que eu tinha pra ele.

É claro que a leitura também teve seus aspectos positivos. Todos os capítulos que fui obrigada a ler, até mesmo aqueles que achei desnecessários eram uma forma de mostrar a evolução dos personagens, o amadurecimento, as voltas que a vida dá. Um Dia não é um romance romântico, é um livro realista, cruel, que fala sobre tempo, mudanças e oportunidades. A amizade é o ponto alto da história, enquanto o amor fica a margem.

Se eu recomendo que vocês leiam Um Dia? É claro que sim! A maioria das opiniões são tão contrárias a minha que desde que resolvi escrever esse post fiquei com receio da reação de vocês.

Não poderia terminar esse post sem dizer que quando li esse livro estava em uma fase meio "pra baixo" e que a sensação de abatimento e tristeza só aumentou. Nada pior para o astral do que acompanhar Emma sendo covarde com sua vida durante mais de uma década.
Por isso não está descartada a possiblidade de uma releitura, mas isso é algo para ser pensado em um futuro bem distante.

Leiam Um Dia, tenho certeza que a história de amizade de Em e Dex vai conquistar você. Se isso não acontecer, na pior das hipóteses você entrará para o roll do insatisfeitos e fará parte da pequena porcentagem na qual eu estou incluída.

18 comentários:

  1. Menina, que resenha gigante! HAHAHAHA

    Eu já tinha lido uns comentários de uma menina no twitter dizendo que também tinha acado o livro um saco. Capítulos que só mostram o cotidiano realmente são chatos, e isso agrava quando a gente tá nessa fase 'down' mesmo...

    Eu ainda quero ler esse livro, vamos ver se eu vou estar no clima ou se eu vou ficar junto de você no roll dos insatisfeitos! =D

    Adorei a sua resenha, viu? =)
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse na resenha, LEIAM. Minha opinião não é uma verdade universal. Se a maioria das pessoas gostou, é porque ele deve ter algo legal.

      Lembre-se não leia numa fase down, rsrsrsrsrs. De resto, vai fundo.

      Excluir
  2. Nossa Caline, que sinceridade! Mas eu não posso nem te julgar, pois eu senti tudo isso ao ler o livro também. Mesmo assim, eu gostei, e foi exatamente por causa da crueldade que você citou.
    Não que eu não tenha sonhos ou não acredite em finais felizes, mas dá pra ver que a realidade não se baseia apenas em contos de fadas, e foi isso que eu tirei desse livro.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei do final, melhor do que a maioria das pessoas queriam. Eu preferia algo do tipo "500 dias com ela", mas tudo bem.

      Excluir
  3. Nossa, a primeira resenha negativa sobre esse livro que eu vejo! Que bom que você foi sincera na sua crítica, e sua resenha ficou ótima (:
    Não adianta, cada livro é diferente para cada pessoa, e nós como blogqueiros devemos apenas mostrar nossa opinião e fazer como você fez: indicar a leitura para que o leitor tire suas próprias conclusões.
    Muito bom.
    Isabela.

    ResponderExcluir
  4. Ei Caline,

    É a primeira resenha que vejo de alguém que não amou o livro, eu gostei muito, mas acho que não amei igual a maioria rsrs. E eu gostei da narrativa, não achei lento, não achei ruim ser todo dia 15 de julho como vc... achei até legal a diferença. O meu problema foi o Dexter, concordo com vc, nunca detestei tanto um personagem. E depois fiquei com raiva da Emma por não mandar ele pastar hahaha. Fiquei de cara com o final, mas gostei dele. ^^

    bjos

    ResponderExcluir
  5. Amei a sua resenha Caline!Super sincera e bem argumentada.
    Estou enrolando para ler Um Dia porque também acho que não vou gostar rs... Não sei bem pq.
    Mas já esta na estante ;)

    Beijos
    Livros e blablablá

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já que esta na estante só esperando, vai fundo. Talvez você seja como as demais pessoas e adore o livro.

      Excluir
  6. Wow, eu fiquei bem surpresa com sua resnha. Não que me incomodou ou algo assim, mas lendo eu percebi que sim, eu percebi as mesmas personalidades imaturas e medrosas, mas tive percepções bem diferentes das suas. Quero dizer, não achei os personagens sem qualidade. Claro que o autor enfatizou os defeitos de cada um para, enfatizar a realidade das personalidades, mas eu conheço uma porrada de gente igualmente insegura e egoísta. Tem uma porrada de gente babaca no mundo, sabe. E gente babaca que aprende com os erros. Que cresce. Foi legal ele mostrar isso porque a maioria dos livros só tratam mocinhos perfeitos, sarcasticos e inteligentes. Mocinhas corajosas e bem resolvidas. Ele fugiu do clichê, o que eu achei super original. Mas eu admiro DEMAIS sua sinceridade. Pontos pra você por isso! É raro, pela blogosfera.

    Uma pena você não ter gostado. Mas gostei dos argumentos. :)

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pelos elogios. Já botei muito pano quente em minhas resenhas porque ficava sem jeito de não gostar de algo que a maioria das pessoas gostou, mas agora nem ligo mais.

    Eu sei que existe muita gente babaca no mundo, conheço alguns babacas, mas a Em não precisava ficar fissurada nesse babaca por 20 anos. Ela nem se deu a chance de verdade.

    Eu não gosto de personagens perfeito, mas Dex era horrivel demais e sinceramente, é mais fácil encontrar mocinha idiotas como Bella do que corajosas como Katniss.

    ResponderExcluir
  8. Taí um livro que tenho curiosidade para ler e depois assistir o filme, mas ainda não o tenho.
    Depois da sua resenha essa curiosidade diminuiu um pouco, confesso!

    Bjs
    Bia
    www.amormisterioesangue.com

    ResponderExcluir
  9. Caline,
    adorei sua resenha,

    eu não li esse livro e nem pretendo, não gosto de histórias tão dramáticas assim, prefiro um romance leve e divertido.
    Nem li o livro, mas já não vou com a cara do Dex, hauahua.
    beijos.

    ResponderExcluir
  10. Quando vi a nota que você deu, fique tipo ?? HAUHAH Todo mundo fala muito bem desse livro, mas a estória dele, não chama muito a atenção! Fiquei meio receosa de ler, depois da sua resenha. Personagens assim, que são terceiras opções e mesmo assim sempre vão estar lá, me irritam profundamente! HAUHUAH.
    Mas é lógico, que um dia vou dar uma chance á Um Dia. haha

    Beijão e parabéns pela sinceridade!

    ResponderExcluir
  11. Nossa, primeira resenha negativa deste livro!!
    Ainda não li, mas vou em breve! Não sei se vou gostar, porque li o primeiro capítulo e não gostei muito do estilo, mas vou arriscar! :P
    Adorei sua resenha, ficou muito boa!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Que resenha enorme! Bom, você realmente faz parte do pequeno percentual de pessoas que não gostam desse livro. mas a sua resenha foi muito bem estruturada e tocou em pontos que eu não tinha observado na história. Realmente, você argumentou incrivelmente bem.
    O final realmente é surpreendente, e eu acho que é isso que mais marcou a história. Mas a Emma realmente é uma covarde e o Dex é um cafajeste mesmo! Fazer o que...
    Mas parabéns pela resenha muito bem argumentada e honesta. :D

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  13. Wow, duas estrelas? :O
    Agora fiquei com medo de ler o livro, não estava lá tãão afim, mas estava pensando em dar uma chance... já não sei mais o que fazer.
    Beijos,

    Gabriel M. Souza
    http://carolespilotro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Bahhh eu preciso ler logo esse livro, esse mês eu compro nao posso deixar passar, pq todo mundo gosta, claro que vc foi uma exceção neh, mas nunca se sabe heuheueheu....
    quero ler com certeza XD... a resenha ficou otima como sempore! XD

    ResponderExcluir
  15. COMO É QUE É?? QUEM VOCÊ PENSA QUE É PRA FALAR ASSIM DE "UM DIA"?????

    Tô zoando! :P
    Você enxergou as mesmas coisas que eu mas por um ângulo totalmente diferente. Gostei muito desse livro (que já era especial pra mim por causa do 15 de julho que, por acaso, foi o dia em que eu nasci rs).

    Eu ADORO liros que mostram vidas comuns, realistas como você disse, sem tramas mirabolantes e etc. Claro que isso fica chato com o tempo, mas os saltos temporais de "Um Dia" sempre deixam uma expectativa, um clímax. E os capítulos são curtos, na maioria das vezes. Sabemos que uma coisa importante acontecerá no dia seguinte e quando o ano passa temos que ir procurando dicas do que aconteceu há um ano atrás! E o medo de ter dado tudo errado? rs

    E não achei o Dexter detestável, só festeiro e idiota mas com o tempo ele vai mudando e gostei muito do autor ter mostrado os dois lados da moeda, dois estilos de vida diferentes ao longo dos anos.

    Só agora que você comentou é que vi a Emma desse jeito, como uma covarde e etc. Achei ela bem... normal. Bem real. Ela não podia fazer muita coisa. Até tentou outros relacionamentos, não correu atrás do Dexter mesmo apaixonada por ele. Ela só podia esperar. Vejo na Emma só uma pessoa com medo de tentar coisas novas, de arriscar e nisso até me identifico com ela.

    Só achei monótono no final (justamente o que você achou mais empolgante rs) depois que você-sabe-o-quê aconteceu. Isso estragou quase tudo pra mim, preferia que não tivesse acontecido mas mostrou que viver é uma coisa urgente, que a vida não é justa.

    Sério, refleti muito com esse livro, sobre o que o tempo faz com a gente e sobre o quê nos fazemos com o nosso tempo. Nossas escolhas e que tipo de vidas queremos ter no futuro.

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.