Querido John - Nicholas Sparks + Sessão Pipoca - Querido John (2009)


Título Original:
Dear John - 2006

Quando Savannah Lynn Curtis entra em sua vida, John Tyree sabe que esta pronto para começar de novo. Ele, um jovem rebelde, se alista no exército logo após terminar a escola, sem saber o que faria de sua vida. Então, durante sua licença, ele conhece Savannah, a garota de seus sonhos. A atração mútua cresce rapidamente e logo se transforma em um tipo de amor que faz com que Savannah jure esperá-lo concluir seus deveres militares. Mas ninguém pôde prever que os atentados de 11 de Setembro pudessem mudar o mundo todo. E como muitos homens e mulheres corajosos, John deveria escolher entre seu amor por Savannah e seu país. Agora, quando ele finalmente retorna para Carolina do Norte, John descobre como o amor pode transformar as pessoas de uma forma que jamais poderia imaginar.

Nunca li todos os livros de Nicholas Sparks, nem tão pouco assiti todas as adaptações do seus livros para o cinema - o que seria mais fácil de ter acontecido uma vez que filmes são mais acessíveis do que livros. Mas uma coisa eu posso dizer com toda a certeza, os livros lidos e os filmes assitidos valeram cada minuto do meu tempo.

"O que significa amar verdadeiramente uma pessoa?
Houve um tempo em que eu achava saber a resposta: significa que eu iria pensar em Savannah mais do que em mim mesmo, e passaríamos o resto de nossas vidas juntos."

"Querido John" não é só uma história de amor entre um homem e uma mulher. É também uma emocionante história sobre um filho rebelde e um pai taciturno e incompreendido. É uma história principalmente de recomeços.
John apesar de ser um soldado do exército americano - o que na minha cabeça tornaria ele durão - é um cara sensível, carinhoso, romântico e acima de tudo fiel e incondicional no seu amor.
Eu ficava tentando imaginar uma cara cheio de músculos com várias tatuagens pelo braço e experiências em guerra, abrindo o coração de forma tão profunda e tocante para uma mulher. Imaginei ele tão bem que me apaixonei, rsrsrsrs...
Savanahh é aquela garota perfeitinha: religiosa, recatada, madura, inteligente... me lembrou muito a Jamie de " Um amor para recordar".
O envolvimento entre os dois é rápido e não demora muito para que eles percebam que o que sentem vai além de uma atração passageira. É impossível não admitir que o nome verdadeiro do sentimento que deixa os dois cada vez mais próximos e dependentes é amor. Uma amor daqueles que nem mesmo o tempo ou a distância pode apagar. Daqueles que marcam o coração para sempre.

O melhor dos livros de Nicholas Sparks é que ele não tenta escrever um livro "conto de fadas", com finais felizes e sempre perfeitos. Ele mostra como as coisas realmente podem acontecer no mundo real. Coisas boas ou ruins, finais felizes e perfeitos ou não.

"Querido John" é uma linda, comovente e triste história de amor, que mostra que amar é acima de tudo querer ver a outra pessoa feliz, independente se isso será com você ou não.
A história é maravilhosa e não deixa nada a desejar. Muitas pessoas podem esperar uma reviravolta em tudo no final e acabar se decepcionando, mas eu particularmente não me decepcionei.

Um aviso importantíssimo: os lenços são imprescindíveis!!!
É impossível não se emocionar e preciso confessar: até agora enquanto tento escrever esse post, a imagens criadas por mim sobre cada parte do livro me vem a cabeça e é difícil segurar a emoção.

Uma palavrinha sobre o filme:


Assim que terminei o livro fui correndo assistir o filme. Queria ver se o roteirista havia conseguido levar para o filme a mesma emoção do livro, mas me decepcionei. Não completamente, mas não foi o que eu esperava.

O filme foi quase todo modificado. A essência principal da história é claro que permanceu, mas foi só a essência mesmo. A emoção, os diálogos tocantes e apaixonados e até mesmo detalhes pequenos mas que fizeram toda a diferença foram modificados ou deixados de fora. Eu sei que é só uma adaptação e que não dá pra colocar tudo no filme, mas o que não dá mesmo é modificar tannnnnnnnto a história como eles fizeram. Ficou tão diferente que não conseguiu despertar a minha emoção como aconteceu enquanto eu lia.

Tinha tudo para ser um filme tão ou mais lindo que "Um amor para recordar" ou " Diário de uma paixão", mas não chegou nem perto.
É claro que o final foi "aquele" final que todo mundo queria e tal, mas não foi o final do livro. E sinceramente por tudo que aconteceu no decorrer da história, o final do livro foi triste, me deixou desolada, mas foi real. E se tudo conspirou para que as coisas fossem daquele jeito, o filme deveria manter o final.

4 comentários:

  1. Ei Caline,

    Eu quero muito este livro, ainda não li nem vi o filme. E ja vi que vou chorar horrores....aiai

    bjo

    ResponderExcluir
  2. Eu amei o livro... mas também amei o filme, fiz resenha no meu blog há pouco..

    Puxa, que pena que vc não gostou. Eu discordo de vc, achei que o filme captou bem a história, não vi taaantas mudanças assim, a não ser o final - e aí concordo com vc, preferi de longe o final do livro, muito melhor. ;) Mas o filme tbm teve seus momentos... amei as cenas do John com o pai, a guerra...

    Bom, mas é assim, mesmo, né? O que seria do verde se tds gostassem do azul? rsrs...

    Ficou ótima sua resenha! ;)

    Bjoos

    ResponderExcluir
  3. COMENTÁRIO COM SPOILER! Quem não viu o filme ainda, ou não leu o livro, não leia esse comentário, ok? ;)

    ~~~~~~~~~~~~~

    ~> Ah, é verdade, esse negócio do Alan ser filho do Tim foi mesmo uma mudança desnecessária. Meio nada a ver. Mas acho que não interferiu tanto assim na história, assim como as outras diferenças...

    Ah, eu gostei da forma como o relacionamento do John com o pai foi abordado. Gostei do ator! Me comoveu.. e concordo com vc, esse assunto é um dos mais comoventes do livro. :)

    Sabe a única mudança que realmente não gostei, e que ao meu ver ficou meio patética, tipo dramalhão de novela mexicana? Foi Savannah dizer a John quando eles se reencontram que ela casou com o Tim por causa das circunstâncias, e blá blá blá... fala sério, nesse sentindo achei o livro millhões de vezes mais honesto e plausível, pois ela se casa pq se apaixona pelo Tim, ainda que de uma forma diferente do amor que sentia pelo John...

    Bem, enfim! ;) Faz parte. É mesmo difícil um filme ser tão bom quanto um livro, hehe..

    Bjoos! :)

    ResponderExcluir
  4. Olá...
    Eu amei o livro e amei mais ainda o John ririririri, ja assiti o filme, não tem nem como comparar. Pena que o filme não abordou tão forte o relacionamento do John com o seu pai, mesmo assim foi emocionante o momento deles juntos no hospital. Tenho que concordar com a Fernanda que foi ridiculo ele colocarem o Alan com filho do Tim talves se tivessem seguido a historia talves o filme teria dado até um outro sentido porque se tratava de dois irmãos e não Pai e filho.
    O filme é bom mas o Livro ele aquece o coração.
    Recomendo

    Beijo

    ResponderExcluir

Participe do blog... Deixe seu comentário!!!
Sua opiniões, idéias, sugestões... são muito importantes para mim.
Um xero!
P.S: Comentários anônimos não serão aceitos!!!

 
Mundo de Papel © Tema base por So Kawaii. Tecnologia do Blogger.